page contents

amore a prima vista (volpini italiani e altro)

8 ott 2015

BRASIL chegou a hora de levantar




BASTA-BASTOU não é mais possível continuar desta forma, ou então será necessário tirar a faixa com “Ordem e Progresso” da nossa bandeira, pois assim é piada. Na Europa é de péssimo gosto escrever uma opinião ou contar um fato personalizando, tudo deve ser feito em terceira pessoa para não ser condenado de parcialidade; ao contrario no nosso Brasil somos mais instintivos e o formalismo foi abandonado a muito tempo. Eis o motivo de apresentar ideias traçando-as com a minha experiencia de vida. Trazida para a Europa uma criança em 1970, mesmo sendo por metade de sangue italiano, a Itália sempre foi para mim um exílio.  Inegável escrevo e falo um excelente italiano, ao contrario tenho problemas com a minha língua materna. Aqui educação e modo de viver são muito diferentes do meu conceito, mas as vezes pergunto se ainda existe no Brasil o que me ensinaram quando pequena. Tive porém a oportunidade  de estudar e lidar com pessoas de ótimo nível intelectual, sendo que aqui desde o começo do seculo passado todos tiveram garantida uma escolarização publica de ótimo nível. Vivendo entre os dois países sempre observei a situação do Brasil, como quem olha a “banda passar”. Pecado que a banda, acredito a mais de 50 anos, esta completamente fora do ritmo. Certamente o jeitinho brasileiro, o deixa pra la, ajudou muito a determinar e marcar o momento presente. Com o fim da ditadura a camada privilegiada e mais culta, delegou os políticos dando carta branca, não quis sujar as mãos e  perder tempo com diatribes parlamentares. Quem pegou cargos políticos? Raros idealistas; pessoas já envolvidas em grupos de influencia  interessados em negociatas,  esquerda ou direita não fazia grande diferencia; famílias depositarias de poderes  a  "titulo de capitania ou coronelato" mesmo em época pós-colonial. Impressionante a falta de visão dos que achavam "entender de gente", poi o Brasil sempre teve uma riqueza imensa, ótimo motivo para acrescentar a cobiça dentro e fora do país. Aconteceu nada mais, nada
menos que depredaram, exploraram, no entanto que a maioria tocava a viola. Resultado em 1965 a população era aproximadamente de 84 milhões, agora mais de 200 milhões; para ter ideia no mesmo período que o Brasil aumentou de 150%, nos Usa aumentaram de 60%! Isto significava para qualquer governo, com um minimo de logica, um plano econômico que suportasse educação, saúde, desenvolvimento. E' tanta a ignorância de não perceber o resultado desta miopia, que quem tinha algo a perder,  começou a construir jaulas ao redor de si. Em poucos pensaram que se estava ultrapassando um limite inavaliável. Os políticos como no futebol criaram times, nos quais o povo se desabafa,
pecado que os problemas continuam. Ao mesmo tempo depauperaram a riqueza do pais, pessoalmente, ou com escamoteação, e como os três macaquinhos intercambiam: não vejo, não escuto, não falo, depende do turno. O que fazer? Quando a casa é muito suja precisa chamar uma faxineira dos antigamente ou em termos de modernidade uma empresa de limpeza, para dar uma GERAL. Todo mundo deve sair, precisa começar azerados. Uma população imensa deve pensar como em clima de emergência, quando cada qual deve colocar as mãos na massa; significa que dependendo das qualificas cada um servirá, começando da cidadezinha pequena até Brasilia. Chamar o contador de provada honestidade para gerenciar a administração do vilarejo, coadjuvado por donas de casa que saibam fazer as contas para chegar no final do mês.  Nos Ministério econômicos, super dotados professores com ideias não conformes, que sejam obrigados a achar juntamente a solução melhor. Aproveitamos dos meios de comunicação de massa, que todas as reuniões sejam "ao vivo", o povo poderá ver como atua um senhor em relação a outro. Isto deve ser copiado em todos os ministérios e administrações. A corrupção é imensa e não existe outra saída. Aqui fora não existem santos, quando escutava falar nos mercados emergentes, no Bric tinha calafrios. Sempre desconfiei, provavelmente porque  "bric-à-brac", em francês é referido a mercadorias de baixo preço vendidas nos mercados de rua, e aquele B inicial era o do Brasil. Tenho certeza que nada é de graça, a incompetência demonstrada pelos políticos brasileiros levou a que vendessem e contratassem por minúcias o nosso patrimônio e dos nossos filhos. ACORDA BRASIL!